Escárnio e bem dizer
sexta-feira, setembro 12, 2003
 
"eu tenho 7, 7 blogs" - ah, entendi. E como tal acusa as outras pessoas de terem multiplas personalidades. Tem lógica. Quando nos sentimos mal connosco é mais fácil pensarmos que não gostamos de alguém e atacar essa pessoa. Como nós somos desleais e inventamos personalidades (para tentarmos sentir-nos bem com alguma delas), temos de pensar que as outras pessoas, de certeza, fazem o mesmo... Claro.
 
E pronto! agradecimentos feitos :) missão cumprida! eu questiono-me porque me é mais fácil vir aqui responder em vez de fazer um reply no email... Deve ser uma necessidade qualquer de exposição. Tenho de analisar isso...
 
E lá falei eu de novo no Pano do Pó! de certeza que faço parte deles... mas de certezinha!
 
O RC do Pano do Pó veio ontem encher-me a caixa de correio. Estás perdoado! também não entendo porque carga de aágua há-de o teu patrão querer que trabalhes. Xiça! com tanta coisa melhor para fazer!...
 
Minha querida Mente Assumida (podes tratar-me assim com certeza). Sou do Minho de Nascença e raízes. Também morei no Porto uns tempos. E vim depois para Lisboa (Grande Lisboa) onde me estabeleci definitivamente.

Obrigada, é muito bom saber quando gostam de nós.
 
É uma defesa e às vezes nem é assim tão má (desde que não exageres, às vezes sabe muito bem dar e receber mimo e não faz mal nenhum nem a quem dá nem a quem recebe). Seria pior se a defesa fosse ao contrário, traz bem mais problemas e dúvidas.

Obrigada pelo mimo :)
 
Pois ele já tinha explicado no blog deles... mas não há problema, fica aqui também. Quantos mais melhores.
 
AH já percebi!!! muito e muito obrigada ao xung do Pano do Pó (oh freira olha que eu falo muito destes também, tu vê lá se não achas que sou também eles... espero que não, não me apetece estar a tentar escrever noutro estilo), o facto de me ter explicado o que era o Change Time & Date e o Draft. :) assim, e como acho que a explicação está muito boa, aqui a transcrevo:

"O change time & date serve para editares os teus posts e fazer com que estes sejam
publicados no blog apenas na data e hora escolhida. Assim, podes ir de férias e
deixar o teu blog em "piloto automático" ou podes desejar um feliz ano novo aos teus
leitores no dia 1 de Janeiro às 0:00 sem ter que estar obrigatoriamente à frente dum
computador nessa altura. (esta última não aconselho porque provavelmente toda a gente
se vai lembrar do mesmo e o mais certo é o blogger ficar todo atrofiado nessa altura.
:P
(penso que será isso, logo se vê amanhã se o post por mim editado hoje aparece ou
não)


A opção draft serve para fazer rascunhos. É útil porque podes querer escrevinhar um
post e não o querer publicar logo. Podias fazer isso com a opção post (sem o publish)
mas havia o problema de, como no caso do pó, haver várias pessoas a "postar" e, ao
publicarem um post, publicavam também o teu tal rascunho que não era suposto aparecer
assim apenas meio alinhavado."

Obrigada :)
 
Não consigo entrar no email... se alguém me escreveu desculpe o facto de eu não dizer nada...
 
Oh Catarina, olha que é difícil escrever assim (aliás, como notaste andei mesmo a roubar-te frases inteiras... SIM FREIRA PODES ACUSAR-ME DE PLÁGIO! e como eu estou a dizer que sou ela, e ela, e ela, e eles e ela, e ela, podes acusar toda a gente disso mesmo. OH FELICIDADE!).

Bolas, é que é mesmo difícil. Parabéns miúda! ;)
 
Esqueci-me ainda de um outro estilo... chiça!... mas como posso eu andar a esquecer-me das coisas que eu própria escrevo? então cá vai:

Mas o que é isto? andam para ali a dizer que sou a rainha das parolinhas e mais um sem número de gajas que não conheço de lado nenhum? ainda por cima dizem que andei na lambidela do cuzinho alheio?!?
Eu sou uma mulher ocupada?!? não sou uma cambada de inúteis como aquelas que me acusam ser? mas quem é esta freira? cá para mim falta-lhe é sexo! é uma triste, de certeza.

E vocês que andam todos aqui a cheirar? RUa do meu blog, já! vá siga, siga!
 
Ah! esqueci-me de um estilo... bolas... cá vai:

Escarnio e bem dizer: É noite... Chego a casa depois de mais um dia de cansaço,
Um dia em que o sol me entrou pela janela e me colocou um sorriso. Ainda assim não consegui pensar direito. Chego agora e procuro as palavras, as vossas palavras.
Encontro palavras de ânimo e outras. Essas outras que me fazem rir pelo ridículo que representam, Essas outras que, de tanta frustração demonstrarem me fazem também sentir pena. É noite... Chego a casa cansada... Mas fui ler-vos, fui rir. Tenho pena de ti.


Agora sim, completei os documentos para a acusação fundamentada da freira ridíc... ai violenta.
 
Ok freirita dada à violência e ao ridículo, ficou convencida que eu sou elas todas?

Ficou?

Ainda bem! espero que sim. Tudo para a fazer feliz, está bem.

Beijinhos e boa noite... Amanhã tente viver a sua própria vida, está bem?
 
E agora o estilo final (a neurótica é a do centrifugação... anda distraída com essas acusações. Você veja lá, olhe que perde credibilidade com essas distracções):

É noite...
Chego a casa depois de mais um dia de cansaço,
Um dia em que o sol me entrou pela janela e me colocou um sorriso.
Ainda assim não consegui pensar direito.
Chego agora e procuro as palavras, as vossas palavras.
Encontro palavras de ânimo e outras.
Essas outras que me fazem rir pelo ridículo que representam,
Essas outras que, de tanta frustração demonstrarem me fazem também sentir pena.
É noite...
Chego a casa cansada...
Mas fui ler-vos, fui rir.
Tenho pena de ti.
 
Continuando a deixar a triste pessoa feliz, aqui vai outro estilo:

Ah! amiguinhas! que bom que cheguei a casa depois de um dia cansativo! ufa! vocês sabem lá o que isto é! andar sempre de um lado para o outro... Mas onde íamos?

Ah sim! falava daquela triste figurinha que me acusa agora de ser as outras amiguinhas todas. Mas será que ela não tem nada melhor para fazer? oh rica, vá às compras, mas por favor não compre camuflados porque isso está out. Umas gangas, umas botinhas de salto alto, sei lá! divirta-se. Se calhar também não lhe fazia mal sair um pouco com amigo (tem?). Vá. tome umas bebidas. Mas nada de vinho ou cerveja porque isso é out, e se quer fumar opte pelos cigarros com filtro branco, os outros mancham os dentes todos. Amiguinha triste, tome uns cocktails e divirta-se. Sabe que há coisas bem melhores para fazer do que andar a meter-se na vida dos outros e a tentar perceber quem é quem na blogosfera... já pensou, amiguinha, que podemos, realmente, ser pessoas diferentes. O que nos torna parecidas é termos todas as nossas vidinhas preenchidas e termos mais que fazer do que aturar parvas como a amiguinha. Não é?
 
E agora, uma vez que me "descobriram" e para não deixar essa pessoa infeliz e deixá-la a achar que tem razão (temos de alimentar o amor próprio de pessoas tristes) aqui vai um post ao estilo 100nada:

Chega um tipo a casa e depara-se com uma acusação daquelas! não há pachorra!
 
é curioso... à Catarina (e a mim e a quase todas as mulheres da blogosfera) fazem a seguinte acusação:

"Freira Violenta! () @ 09/11/2003 19:44:
Claro que ganho! O Abrupto também, e depois? Salários chorudos, imbecil!
Quanto a "não apagar", ó 100 nada, vejamos: Escreves no Ecos, escárnio e "bem" dizer, 100 vergonha, Eu é mais bolos, e, possivelmente no neurótica e ainda centrifugação. Depois, gabas-te de uns para outros blogs, dando-te apoio a ti, pobre bicho sedento de aprovação, e em desequilíbrio constante... Aqui a malta percebeu logo!"

Bom... isto lembra-me alguém que, em tempos, como não conseguia perceber porque é que o Ecos me cita tanto (ultimamente têm-me falhado, vocês vejam lá isso), decidiu acusar-me de ser a autora também do ecos. Lembra-me também alguém que confessa não gostar de blogs femininos... curiosamente é alguém que a Catarina até tem nos favoritos...

Mas não interessa. Pode ser, pode não ser. Talvez seja só coincidência (será que existem?)


quinta-feira, setembro 11, 2003
 
A inveja é um mal terrível. É por estas e por outras que optei por não ter comentários no meu blog. São giros quando são leais (sejam criticas positivas ou negativas), mas quando entram na agressão gratuita, opiniões parvas e não fundamentadas e ordinarice pegada passam a ser uma chatice e criam mau ambiente. Se me querem comentar, ou agredir, façam-no nos vossos blogs ou mesmo no meu email. Gosto de ter a casa limpa.

dou aqui o meu apoio à Catarina. Ela escreve lindamente.
 
ainda não percebi o que é aquela coisa aqui ao lado de Draft e Change Time & Date... alguém quer explicar?
 
sim, sim, estou atrasada de novo... acho que tenho de mudar os meus horários...
 
obrigada
 
- A porta de saída é ali
- Desculpe... eu...
- Agora é tarde. Pode sair. Vá para casa reflectir sobre o que me disse e, se depois achar que vale a pena, volte aqui.
- Foi precipitação. Não queria dizer isto... desculpe.
- Mas disse. Vá reflectir sobre isso, sobre o que o levou a dizer isso tudo. Agora saia.

*Silêncio*
 
Agradecimentos

Ontem cheguei a casa, desabafei o que leram ali em baixo e fui dormir quase instantaneamente, nem cheguei a ir ao email. Hoje fui lá e não está cheio mas foram poucos mas bons. Assim agradeço do fundo do coração as mensagens vindas do Miguel, Dos meninos e meninas do desBlogueador e da Catarina que me deixou com a lagrimita ao canto do olho (apesar de no email dela se poderem ler palavras como "puta", "sandálias", "botas", "café" e "gelado"... confesso que meti estas ultimas 4 só para não causar muito má impressão ;) ). Adoro esta miúda. :) deve ter um sentido de humor fantástico e um feitiozinho que deve deixar muita gente de cabelos em pé, e por isso gosto dela ;)

Tenho de me queixar mais vezes desta carenciazinha que me invade nos últimos dias :)
quarta-feira, setembro 10, 2003
 
Bolas! que situações complicadas hoje... desde expulsar uma pessoa do consultório, a ter outra a dizer que estava apaixonada por mim, tudo aconteceu... chiça!!! nem sei que faça... custa-me tanto seguir a ética por vezes... bolas!
 
Quero ver isto cheio quando chegar a casa logo mais à noitinha... agora vou sair.

A sério! tenho saudades vossas e estou carentezinha!
 
Bem dito Percy L. Spencer
 
Estou novamente atrasada até mais não... vou telefonar à Fátima para avisar a pessoa que me aguarda... bolas! mas é que estou mesmo muito atrasada... detesto estar atrasada!
 
murros, murros, pontapés! boa!
 
Hoje devia ir ao body combat. é tão bom imaginar que se está a dar murros e pontapés a alguém que nos apetece espancar. mmmmm... vou mesmo... body combat. Aconselho a todos (mas é que aconselho mesmo), é optimo para retirar o stress...
 
tenho de bater palmas à loira (meto aqui só um extracto do que ela escreveu):

Mas isto tudo para dizer que só pelo facto de ter sido bem tratada até me senti melhor. Sei lá, se calhar o Estado até poupava uns dinheiros se apostasse num atendimento mais humano no Serviço Nacional de Saúde. Caso a qualidade de vida dos cidadãos não fosse argumento suficiente…

É verdade, o serviço público é do pior. As pessoas já vão doentes, o pessoal administrativo, normalmente, decide que quem manda ali são eles e tratam esses doentes com uma arrogância e uma antipatia crassas. As pessoas saem de lá ainda piores. Chegam ao consultório dos médicos (isto depois dos médicos ali estarem horas e horas a ouvirem queixas e a fazer diagnósticos para coisas que, às vezes, até o farmacêutico sabe diagnosticar), mal dispostas e já desconfiadas que "o médico não me vai ligar nenhuma", "eles querem é despachar as pessoas", etc. É complicado para qualquer médico, ao fim de horas e horas de serviço (público), com pessoas mal dispostas e desconfiadas, continuar com a mesma simpatia e bom humor.
Há ainda o problema de não haver condições quase nenhumas no serviço público, se estar preso a um clima de poupança e de "despachanço" de haver milhares de doenças com os mesmos sintomas e de haver falha médica... O que eu admiro os clínicos gerais!
 
Ó Sofia, eu gosto imenso de swatch, tenho uma série deles (com vacas, bebés, animais de todas as formas e feitios... enfim toda a piroseira eu tenho), mas esse olha que não lhe acho graça nenhuma.
 
olha, lá foi!
 
Ai que tenho isto bloqueado! está ali uma anedota em baixo que insiste em não ser publicada! vá estúpida, mas quem pensas que manda aqui, hein?
 
"Era uma vez ...
Uma rapariga vinda de um país de leste, casou com um moçoilo português,
vivendo os dois em Lisboa.
A pobre rapariga não sabia falar português, nem mesmo algumas palavras, mas
lá se ia entendendo com o marido.
O pior era quando tinha que ir às compras...
Um dia foi ao talho para comprar pés de porco. Não sabendo como os pedir não
teve outro remédio senão descalçar-se, mostrar os pés e roncar ao mesmo
tempo. Lá conseguiu levar os pés porco para casa.
No dia seguinte foi comprar peito de galinha.
Mais uma vez as coisas não correram bem e não teve outro remédio senão
desabotoar a camisa e mostrar o peito enquanto cacarejava. Lá conseguiu
levar os peitos de galinha para casa.
No terceiro dia pretendia comprar uma grandes salsichas pelo que resolveu
levar o seu marido consigo ...







....estão a pensar no quê?








....suas mentes porcas!










O marido fala português, porra!!!"

 
ainda bem que estou na privada... bolas! grande polémica com a gestão hospitalar...
 
Ó meus amigos... o vosso artigo sobre a saúde mental está péssimo...
 
Aleluia o governo aprovou a criacção de uma nova rede de cuidados continuados... a ver vamos se as boas vontades não se ficam só pelo papel.
 
cá está ele... vou passar-lhe os olhos por cima antes de ir dormir um pouco.
 
Onde é que eu deixei o jornal que me chegou hoje?
terça-feira, setembro 09, 2003
 
Adoro o teu perfume. A sensualidade dos teus gestos. a forma cuidada como te vestes. Adoro-te... AI QUE SAUDADES! volta depressa, por favor!
 
fizeste-me pensar... És sempre tão sensato, caramba!
 
Olhar-te nos olhos. Sentir-te tão perto. Adoro quando apertas a minha mão com força. Adoro quando passas as mãos na minha face.
Abraças-me. Proteges-me. E eu sinto a necessidade de proteger-te também. Quero beijar essa covinha que tens no queixo. Acariciar os teus cabelos, sentir esses olhos castanhos profundos olharem para mim. Adoro o brilho do teu olhar quando me olhas. Adoro o teu sorriso. Adoro-te. Amo-te. Sim, sei que te amo. Será demasiado cedo para isso? Não, não é. Conheço-te há tempo suficiente.
- Amo-te. - Foi tão bom ouvir isso da tua boca. Ver depois o teu sorriso triunfante como quem disse algo tão difícil mas tão verdadeiro.
- Também te amo. - Sorri-te envergonhada. Senti um nó na garganta. Um aperto no peito. Bolas, porque vais embora agora. Maldito congresso! Queria fazer amor contigo. Amor. Pela primeira vez depois de tanto sexo fantástico. Amor... Volta depressa porque... "também te amo".
 
Amo-te. Mas será que te amo a ti ou à imagem que criei?
 
Há muito poucas coisas sobre as quais digo: "se voltasse atrás fazia as coisas de forma diferente". Normalmente não sinto arrependimentos. Fora quando as coisas são demasiado recentes e ainda magoam. Penso sempre que as fazia de forma diferente. Daqui a uns tempos conseguirei pensar mais nos aspectos positivos do resultado daquilo que fiz. Porque tudo, mesmo tudo, tem coisas positivas, basta que nos concentremos nelas e aprendamos com elas... é isso que vou fazer, a seu tempo. Agora preciso de sentir raiva, preciso mesmo. É uma fase como outra qualquer que não é errada. É mesmo necessária. Pela vossa saúde mental permitam-se sentir raiva!
 
Não sei que raio me fizeste. Era suposto ficar melhor, mais positiva, mas não! meteste-me pior...
Sim, eu sei que não fazes milagres, eu sei que tenho de ser eu a fazê-los, mas tenta! faz isso por mim!...
...
porquê?
 
sim, eu sei que bebi o café com adoçante, mas depois não resisti à bela da queijada de sintra :) adoro sintra, adoro os travesseiros, adoro as queijadas. Bem dita Piriquita!
 
Só agora entendi a mensagem do google... tinha lido à hora de almoço, mas só agora abri o google... esta mulher não existe!
 
Vou ver se me disseste alguma coisa.
 
Sinto-te distante. Demasiado distante. Tentas mostrar que não é bem assim, mas eu sinto que é...

Não se controla o que se sente e por vezes os sentimentos errados destroem as coisas que estavam certas. É um risco. Estou a corrê-lo.
Talvez por gostar demasiado de ti não quero ficar com "fantasmas no sótão". Prefiro ter o sótão vazio mas arrumado do que cheio de tralha que desconheço, me irrita, me deixa dúvidas, me dá alergia...
 
Tinha dito que queria esclarecer umas coisas. Tive pouco tempo para isso, por isso ficou tudo meio em "águas de bacalhau" o que se calhar ainda é pior... logo se vê.
 
cansada!... que corrida que foi o dia de hoje. Completamente esgotante.
 
ah que lindo numero 2,222 :] parem lá de visitar isto porque este número é muito lindo!
 
agora sim, vou embora que há quem me espere... Porcaria de medalhões de pescada para microondas... vou ter de comer qualquer outra coisa para disfarçar. Segue-se a maçã da praxe e depois um cafezinho com adoçante.
 
Devo avisar-vos que nem toda a comida congelada é boa. Evitem a todo o custo os medalhões de pescada com tomate da pescanova... blurgh! (ainda por cima são caros)
 
Ai que estou tão atrasada!

Deixa-me lá ligar à pessoa que está à minha espera... agenda, agenda... onde está?!? Ah ah! Anabela. Vou ligar-lhe. Com licensa (é assim que se escreve licensa?...)
 
Hoje tenho umas coisas para esclarecer. Não gosto de ficar com coisas entaladas, nem com dúvidas. Vamos esclarecer, por muito que custe.
 
AAAAAAATCHIIIIIIMMMMMMMM!!! AAAAAAAAATCHIIIIIIIIMMMMMMMM!!!

ai ai ai ai ai!

ai ai ai ai ai!

Estou constipada!
 
Nunca a tinha lido. Fui ler. Acrescentei-a aos favoritos.

Não resisto a umas belas palavras sentidas e tão femininas. Identifico-me com elas apesar de tanto as ouvir.
 
Encanto-me sempre com as palavras dela!

Lénia, acho que te tens menos perdida do que aquilo que pensas ter. Basta não recusares achar-te. Sabes tão bem onde estás, não sabes?

As tuas palavras são de uma sensibilidade extrema. Adoro lê-las.
segunda-feira, setembro 08, 2003
 
Fantástico! :]
 
Hoje pus-me à janela. Observei uns miúdos que brincavam ali em baixo no campo de futebol.

Enquanto estava encostada ao parapeito um deles olhou e viu-me. Disse-lhe adeus. Ele devolveu-me o aceno. Os outros, curiosos, espreitaram. Disseram adeus também. Riram, sorriram. Começaram a exibir as suas habilidades futebolísticas.

Tinham todos entre 8 e 10 anos. Tinham todos um sorriso estampado no rosto. Fico sempre nostálgica quando observo as crianças.
 
Ia agradecer no email, mas gosto mais de o fazer aqui.

Ó M.A. (sejas quem fores, desculpa o tratamento por tu, mas prefiro sempre fazê-lo para pessoas com quem simpatizo), MUITO E MUITO OBRIGADA PELAS PALAVRAS. Foram reconfortantes.

:] beijinhos grandes.
 
- Por aqui? como estás?
- Estou bem. Esta é a minha namorada, a Susana.
"filho da puta comigo nunca saías tu".
- Ah! muito prazer. Sou a Maria. Este é o Nuno, o meu namorado ("toma, cabrão! pensavas que eras só tu, não?").
- Prazer. Tenho de ir.
- Xau.
- Xau.

E assim funciona o cérebro humano...
 
- Não me largues por favor! preciso tanto de ti!
- Eu não te largo. Mas tens de conseguir fazer as coisas sozinha.
- Não consigo. Sinto-me abandonada.
- Não podes sentir-te assim. Eu não posso fazer mais nada. Reflecte sobre isso em vez de te agarrares a mim com unhas e dentes.
- Não consigo...

E ela afasta-se deixando um vazio no espaço que nos separa. Angústia! É isso que é sentido. Muita angústia. É um risco, eu sei, mas tem de ser tomado.
 
Fui agora ao email do blog e estava vazio... é para compensar o outro.
 
Segunda-feira. Sempre que posso é o dia de menos trabalho (por opção).

Uma amiga telefonou-me por volta do meio dia e meia. Quis vir almoçar comigo. Vou sim.

Restaurante Tailandês (uma nova paixão). Arranjou colocação (está no ensino e conseguiu esse milagre), mas o que me queria mesmo dizer é que vai casar.
- Parabéns!! Quando?
- Em Novembro. Quero que venhas.
- Claro minha querida, claro que sim.
A lua de mel vai ser em Veneza. Já tem tudo planeado. Que bom!

Chego agora a casa (tenho optado por não levar o portátil comigo, já sei que me distraio sempre demasiado e depois atraso-me), e ligo o computador. Emails:

32 vírus
9 emails de publicidade a tudo e mais alguma coisa
10 reencaminhamentos daqueles amigos que querem dizer que se lembram de nós, estão presentes, mas não sabem o que mandar de mais pessoal e por isso vão enviando anedotas, piadas, imagens e coisas de amizade...
1 email de uma amiga a convidar-me para o pequeno almoço amanhã
1 email de um amigo apenas a querer saber como estou
1 email de uma amiga a dizer que está grávida...

GRÁVIDA!!! ISSO É COISA QUE SE DIGA POR EMAIL?

Vou já ligar-lhe a ralhar com ela. Até já.
 
1,2... 1,2... ginásio...
 
Ah! espera! já descongelaram... Bom! :)
 
Está frio!... se calhar foi por isso que os frescos congelaram.
 
Os frescos congelaram às 7h35m
 
Percorrendo mais um. Gostei bastante deste. :)
 
Olha para ti. Olha! Não. Não é assim. Olha lá para dentro. De que tens medo? O que tens medo de ver?
Não sintas toda essa amargura por uma vida que não viveste. Não é errado viver, sabias? vive minha querida. Não tenhas medo. Ainda estás a tempo. Há tanta gente que tem uma adolescência e uma pós-adolescência tardias, podes ter tu também. Não é errado. Apenas tens de ter alguns limites que não necessitarias caso a tivesses vivido na altura certa. Porque, minha querida, a adolescência e a pós-adolescência são fases da vida que toda a gente tem de passar. Uns vivem-nas de uma forma, outros de outra. Uns vivem-nas numa altura, outros noutras. Não são erradas, são normais e são tão bonitas, tão intensas, tão únicas.
Vive, minha querida, não tenhas medo. Eu estou aqui para te abraçar quando precisares. Estou aqui para desabafares, para te apoiar. Não te prendas a essas regras sociais que alguém inventou. Liberta-te! Sê tu própria. Desde que conheças os teus limites, a tua coragem, a tua força para viveres as consequências das tuas decisões, está tudo bem. Vive! sem medo de viver. Abre os braços depois, respira e sente como a vida é toda tua!
 
Vão ali ler a Noite de Lobos desta mulher.

O que admiro nela, para além da forma de escrever as coisas, é o facto de, realmente, ter coisas para escrever. Ela tem histórias para contar. Talvez esta noite de lobos tenha realmente existido, talvez ela a tenha imaginado ou talvez seja uma mistura de imaginação com realidade.
Mas, na cabeça dela, está correcta. Não há nada de errado. Há apenas memórias de um tempo que passou. Um tempo que foi tempo de loucuras. Talvez nem todas as mais correctas, mas todas ultrapassadas, verdadeiras e, hoje, memórias.
Memórias daquelas que se contam num blog, aos amigos, aos filhos, aos netos, sem vergonha nem medo. Memórias muitas vezes partilhadas com pessoas que, estando hoje longe e com vidas completamente diferentes, também as viveram da mesma forma louca e que hoje não têm o tabu de as esconder.

É tão bom poder pensar nas coisas do passado, pensar que tenho histórias e conseguir respirar de alívio. É tão bom saber que vivi intensamente, que não me deixei ficar presa a regras que outros, e não eu, fizeram. É tão bom saber que nunca me perdi ao ponto de não me voltar a encontrar.

Estou aqui. Estou viva. Estou tão bem. Amo-me e tenho orgulho de mim (do passado e do presente). Esse é o meu grande trunfo. O trunfo de ter histórias de vida para contar e não apenas histórias de alguém que deixa que a verdadeira vida lhe passe ao lado porque "é errado viver".
 
Por que te amo com tanta força e por que sinto tantas saudades?

Vem ter comigo. Preciso de te abraçar hoje mais do que nunca.
 
percorro um caminho desconhecido. Tenho de o seguir. O medo fica para trás. Cada vez mais para trás, apesar de saber que aquele caminho, que em tempos considerei bonito, pode, a qualquer momento, escurecer. Não, hoje não tenho medo. Vivo. Vivo hoje mais do que ontem. Vivo hoje mais só porque me conheço melhor e porque preciso de menos apoios.
 
A vida (o nosso mundo) é construída por experiências. Há aquelas experiências de que nos arrependemos e as outras.

Quantas e quantas vezes pensamos: porque fui eu fazer isto? e porque não haveríamos de ter feito?

Claro que há coisas e coisas. Há aquelas que nos prejudicam demasiado e que podemos evitar. Mas há as outras. Aquelas sobre as quais temos dúvidas logo ao iní­cio. Se temos dúvidas qual o mal de tentar? Pelo menos fica essa certeza. A certeza de termos tentado, a certeza de termos vivido.

Vivo no século XXI. Não significa isso que viva sem valores. Antes pelo contrário. Significa que os tenho e os sei medir. Significa que posso cometer erros sem ter de sofrer a "punição divina" ou pior do que a "punição divina", a "punição social".

Admiro-me com pessoas que vivem no mesmo século que eu, que são de uma mesma geração e, no entanto, têm uma mentalidade tão tacanha. Se fecham no seu casulo, nas suas regras. As únicas que conhecem e que consideram verdadeiras e correctas. Admiro-me que existam essas pessoas que acham que tudo o resto deve ser puní­vel, que acham que os adolescentes devem levar logo umas talas nos olhos para seguirem essas regras...

Regras, verdades... o que é isso? isso existe? é que se existe, por favor, mostrem-nos esse "manual da vida"... afinal de contas para que há tanta gente a sofrer crises de adolescência, crises de identidade, traumas, medos e dores... bastava lerem os manuais que essas pessoas, essas mentes iluminadas, têm em seu poder e estava tudo resolvido, todos os males do mundo... por favor, não sejam egoístas e mostrem-nos isso.
domingo, setembro 07, 2003
 
Chama-me o Nelson a atenção para um blog que nem sei se hei-de linkar (no fim já decido). Pois diz o moço que foi admirador de Nuno Markl e deixou de ser e cito-o: "Meu Deus, eu ficava deveras surpreendido quando o ouvia narrar aquelas maravilhosas e estúpidas pequenas histórias, na antena da Rádio Comercial." E depois de ter-se assumido supreendido pelas histórias explica o seguinte: "Lamentavelmente, vim a descobrir que aquelas fantásticas histórias eram realmente fruto de uma imaginação prodigiosa, mas não da sua. Afinal, eram todas elas “roubadas” através desse meio de transformar “pessoas em deuses” e vice-versa, que é a Internet."

Pergunto eu: Caro Jack (ou arrogante), então o amigo era admirador do Markl (pelo que diz), sempre o ouviu contar histórias bizarras que sempre nos foram contadas como sendo reais e pensou que eram imaginação do Markl?

Espere lá, há aqui qualquer coisa que não bate certo... ou as histórias bizarras são reais ou as histórias bizarras são inventadas... ora se são inventadas perdem metade da graça, certo? e se são reais têm de ser pesquisadas, retiradas, a algum lado, certo? ora se são retiradas de algum lado...

Não entende o amigo arrogante o porquê de o Markl ter sucesso no livro dele... eu dou-lhe um exemplo prático. Escreve o amigo arrogante: "Despeço-me invejosamente, na esperança que um dia o amigo Markl acorde e se dei-a conta que é um privilegiado. Faça uma seita, estou certo que os carneirinhos vão aparecer."

DEI-A é um erro ortográfico que o Nuno Markl jamais cometeria... o correcto é DÊ... é por isso que ele vende livros de sucesso e o amigo arrogante, e pessoas como eu, se ficam por um blog que enfim... são o que são... Uns são melhores do que os outros, com certeza.
 
Bolas para o barulho que fazem os vizinhos!
 
Queria escrever qualquer coisa e entretanto (entre abrir o blogger e não abrir) esqueci-me... bolas!
 
bolas para os erros nos acentos!
 
às vezes esqueço-me que eu sou eu. Gosto de mim e penso sempre que gosto de outra pessoa... não percebo.
 
Curioso... também andei num colégio de freiras durante uns tempos... depois revoltei-me e não quis mais. Achei que aprendia mais sobre o mundo numa escola pública. Não me enganei.
 
quem me dera que todos os professores fossem assim... com certeza todo o ensino seria diferente.
 
Um dia contei-vos parte de uma história. Uma história onde a paixão e o desejo falaram mais alto do que a consciência. Uma história onde a filosofia "mais vale arrepender por fazer do que por não fazer" foi aplicada até ao limite. Demasiado ao limite. A história continuava e aqui vai o resto...

Noite de festa. Festas da Garagem.
Muita música, muita luz, muita "barraquinha" de bebida. Shots. Mais shots...

- Aqueles ali são fixes e baratos. 'Bora lá! - Desencaminhei as minhas amigas. Já meio torta vejo à minha frente aqueles olhos azuis da cor do oceano. Fiquei "gelada".
- Olá! por aqui!?! - disse meio a tremer. A tremer de desejo. A tremer de vontade de te agarrar e não largar mais.
Sorriste. Esse sorriso de quem me afasta. De quem me quer longe. Não queres nada comigo... Mas o teu amigo olha-me de outra forma.
- Olá! eu sou o Luís. Sou amigo dele.
- Sou a Maria, muito prazer. - Sorri de orelha a orelha deixando-te um olhar de ciúmes no ar.
Afinal não me queres longe... ou pelo menos não me queres perto de mais ninguém. Este é o meu trunfo.

Conversa puxa conversa. O Luís até é engraçado, mas és tu quem me interessa. Falo com ele. olho para ti.
- Vamos embora Luís. Vamos a outro bar - disseste-lhe.
- Queres vir? - Pergunta-me o Luís. Vejo-te olhar para o chão na esperança que eu diga que não, que fico com as minhas amigas.
- Sim, claro!

No outro bar o Luís vem para mais perto de mim. Ficas encostado à parede a olhar-me com aquele olhar profundo de desejo que te conheço tão bem. Se te quiser só preciso de estalar os dedos... eu sei disso. Não sei se estou preparada.
"É um erro!" - Penso enquanto te olho com vontade de te agarrar. O Luís não dá por nada e continua a atirar-se a mim.
- Vou buscar uma bebida ao bar, queres alguma coisa? - pergunta-me.
- Não. Obrigada.
Ele afasta-se.
Eu aproximo-me de ti. Num impulso não pensado, não reflectido, abraço-te. Agarro-te. Sinto a tua cara tão junto à minha...
- Maria!!!!... - suspiras o meu nome... - Um homem não é de ferro. Não te quero magoar.
Sinto-me tremer. Sinto-me molhada. O meu corpo responde de formas que desconheço. Não sei reagir, mas quero-te tanto. Bolas! quero! é só isso que sei agora.
- Tu sabes o que estás a fazer, não sabes? - Perguntas.
- Quero-te! - Digo.
- Tens a certeza disso? sabes como sou... sabes que não é mais do que isto.
- Tenho. Tenho a certeza que te quero.



Tinha. Tinha mesmo. Queria. Mas não por uma noite. Mas se era só uma noite o que podia ter então era isso que queria. Queria tudo o que podia ter. Quis-te...
O Luís (já sei que ficam para aí todos a querer saber pormenores) fomos levá-lo a casa. Depois... depois talvez conte noutro dia.
 
bom, o fósforo até dá outro sabor à coisa...
 
ora bolas! onde meti eu o isqueiro?!?
 
Eu já não estou a ver bem... então tinha o cinzeiro à minha frente e fui buscar um pires para fazer as vezes dele?... bom, deixa-me lá usar o cinzeiro.
 
Sinto-me só. Uma vez mais.
Hoje é dia de álcool. De fumo. É dia de estar só ou de tentar acompanhar-me.

Há quanto tempo me estudo? Há quanto tempo me analiso? Talvez desde sempre. Hoje tenho outras perspectivas que me fazem compreender uma série de coisas sobre mim que anteriormente não entendia, mas agora que me sinto mais próxima de mim, também me sinto mais misteriosa...

É mais fácil olhar o mar de cima do que mergulhar nele. Por cima o mar é imenso, lindo e é isso mesmo: uma carrada de água com ondas, sabemos que há uma imensidão lá por baixo mas não sabemos o que é. Se mergulhamos encontramos tanta coisa... tanto pensamento diferente, tanta escuridão, tanto detrito de coisas que foram sendo abandonadas com os anos...

O mar... todos nós somos como ele. Lindos, imensos... nunca ninguém nos vê totalmente, mesmo nas partes em que podem ver, mas lá por dentro há um outro mundo... Um mundo bem mais intenso e difícil de compreender...

Sou uma mergulhadora e sinto que tenho tanto para explorar.
 
O Nelson sempre em cima do assunto volta a dar-me os parabéns (com direito a palminhas), desta vez pela minha chegada aos 2000 visitantes :] obrigada
 
O que fizemos? o que nos destruiu? fui eu? foste tu? fomos nós?
Para onde foste? para onde foi aquele homem que conheci? aquele que me fascinou com o olhar meigo, as piadas únicas e a dedicação total? será que te destrui ao achar que te tinha? será que não reparei que também tinhas necessidades? não! talvez me tenha privado de demasiadas coisas por tua causa, e no entanto sinto tanto que a culpa também é minha.
Não existe culpa! é responsabilidade... sim, é isso que se lê nos livros, é isso que se diz a todos os que nos procuram. Não há culpas, há responsabilidades... Qual é a diferença? o nome? afinal as pessoas sentem exactamente o mesmo... tenha essa coisa o nome culpa ou responsabilidade.
 
2000... que número tão lindo! :) estou tão contente!
 
AI que bom!!!! a Catarina voltou a colocar o 100vergonha on-line! :) e... e... (estou sem palavras, esperem lá)... e... obrigada pela promessa :']
 
E afinal tu que me tiveste de verdade nunca irás dar valor ao que te foi dado...
 
Sim, enganei-te. Eu sei. Tenho consciência da mentira ou será só omissão? Não. Eu sinto-a como mentira e é o que ela é.
Menti.
Menti-te.
Menti-me.
Sim. enganei-me. Eu sei. Tenho consciência que a mentira que para ti será sempre verdade, a mim magoa e fere muito mais do que alguma vez irá magoar a ti. Porque eu sei que a tua verdade não é a minha.
 
Através da Catarina descobri este Blog. Nunca me tinha dado para clicar nos favoritos dela. Agora vou clicar num ou dois por dia. Gostei muito deste. Tem uma forma muito poética de escrever as coisas.
 
Por vezes apetece-me gritar: MAS ESTA SOU EU! Sou eu...

Mas a voz some-se antes do grito sair. E afinal eu descubro que até gosto de mim. Se os outros gostam, porque não hei-de eu gostar?
 
O que é que foi isto que passou agora aqui por cima?
 
"Os homens são como um vinho bom. Começam como uvas e é dever das mulheres pisá-los e mantê-los no escuro durante longos anos até se tornarem em algo que valha a pena apresentar ao jantar." ;)
 
Se te escrevesse explicava-te o quanto te amo. Dizia-te que preciso de ti com tanta força que nem sei explicar porquê.

Amo-te sim. É amor também este sentimento. Eu sei que nunca ninguém o pensa como tal, mas é o que ele é. Amo-te.
Quero abraçar-te agora, com força. Dar-te um beijo na cabeça e sorrir-te. Quero que sintas que podes confiar em mim. Que sintas que te amo com tanta força. Deixa-me dar-te uma festa na face e um beijo na testa. Fala comigo sobre ti. Diz-me o que te preocupa e deixa-me proteger-te com o meu abraço, com a minha força, com a minha amizade.

Queria tanto que soubesses tudo isso. Queria que entendesses o quanto és importante. O quanto te desejo e te amo.
Gostava que entendesses que nada de mal, nem de maquiavélico, há neste amor. É tão puro, tão forte.

O desejo é apenas de estar contigo, de abraçar-te, de proteger-te. Não permito que ninguém te faça mal. Não permito. Vem para perto de mim para que eu te proteja. Porque te amo. Talvez, erradamente, mais a ti do que a mim própria.
 
É verdade, nunca mais vos disse isto, mas estou a conseguir largar o tabaco a pouco e pouco... Tenho fumado bem menos.

Hummm agora que falo nisso... onde está o meu tabaco?
 
Cansei-me de carregar nos botões do comando... será que em 40 e tal canais não há nada de jeito?

Powered by Blogger